terça-feira, 11 de agosto de 2015

Vendaval

O tempo que todos escolhem para acomodar corpos e contorcer disposições é o que me faz abrir as janelas e as persianas e sentar à cabeceira para não deixar escapar o vento e a chuva. Hoje não está vento nem chuva - ainda, quero crer - mas os tons cinza e a aragem fresca já me parecem bom princípio. Sinto-me sempre aliviada pela própria Natureza por fazer arder os seus filhos e recebo esta frescura como uma planta seca e sedenta que não tem como conseguir empertigar-se. Só com o vendaval.