sábado, 7 de novembro de 2015

Bisel

Numa noite quente e no meio de carros barulhentos e estacionados à sorte, ouvimos uma flauta. Gostamos os dois de música, sobretudo de música atrapalhada por ser essa a que fazemos, e logo interrompemos a conversa para escutar. Era engraçada, a miúda. Ia na rua entretida com o que fazia e ignorava o resto. Mas logo foi interrompida:
- Acaba com essa merda! 
Era a mãe. Ainda insistiu algumas vezes. Ia de braços cruzados, já longe, muito apressada e abespinhada. A miúda ainda acedeu ao pedido durante uns segundos, mas logo a seguir voltou a erguer a sua arma e protestou desafinada e lindamente até eu a perder de vista. 
Fiquei satisfeita. Toda a gente sabe que a música faz revoluções.